Conteúdo

Bombeiros Voluntários

Em 12 de Outubro de 1910, apenas uns dias após a implantação da República, um grupo de raparigas e rapazes da melhor sociedade de Valença, decidiram realizar no Teatro Valenciano, um sarau musical a favor da ideia da criação dos Bombeiros em Valença. Tal espectáculo foi um êxito.
Actos desta natureza prosseguiram até 1916, ano em que foram feitos vários peditórios à população.
No ano de 1917 deflagrou um violento incêndio num prédio da antiga Rua Direita. Tal fatalidade originou um certo movimento na população de Valença, onde ainda não existia um Corpo de Bombeiros, mas tão somente uma bomba da antiga Companhia da Bomba, propriedade da Câmara Municipal. Contudo, não existia pessoal devidamente preparado.
Só em 1919, e depois de novo grande incêndio, se reactivou a movimentação dos Valencianos, no sentido da criação dos seus Bombeiros. Então, no mês de Junho, celebrou-se uma reunião dos habitantes de Valença e dela resultou a nomeação de uma comissão organizadora, para a fundação dos Bombeiros e a elaboração dos seus estatutos, os quais foram aprovados por Assembleia Geral de 27 de Julho de 1919.
Desde então, não descansaram um só momento, e os Bombeiros de Valença começaram a ter forma, mercê de muito sacrifício e da muita dedicação à causa para a qual lançaram ombros com o maior entusiasmo todos os Valencianos, iniciando-se a escolha e compra de material contra incêndios.
Era necessário então um Quartel-sede. Nesse sentido dirigiram-se ao Governador Militar da Praça-Major Inácio Severino de Melo Bandeira, a quem Valença muito deve, o qual conseguiu a cedência do prédio militar denominado «Antigo Armazém de Material».
Avançaram os trabalhos e em 19 de Setembro de 1920, o sonho transformava-se em grata realidade, inaugurando-se a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Valença e respectivo Corpo Activo, equipado com três bombas braçais e um carro para o transporte de seis homens e que servia para puxar as bombas, com cavalos ou muares.

Uma vez criados os Bombeiros e instalados no seu Quartel do Eirado, a Direcção e Comando, continuaram a trabalhar com afinco para fazerem mais e melhor, visto que se tornava necessário um Quartel-Sede novo e condigno.
Desta feita se conseguiu adquirir por compra ao Ministério da Guerra, o antigo prédio «Hospedaria Militar da Casa da Guarda», sita no Largo do Sol e em 1926 para lá passaram todas as instalações. Durante muitos anos foi considerado o melhor quartel do distrito e dos que estavam melhor equipados.
Mas a vida continuou a evoluir de forma assustadora, e, com ela, também os Bombeiros foram acompanhando tal crescimento. Desde 1970 vinha-se falando na construção de um novo quartel, pois o actual já não era operacional.
Conseguiu-se para o efeito adquirir, o terreno ao Ministério das Finanças no sítio dos Eucaliptos.
Temos a satisfação e até o orgulho de ver construído aquele Quartel que serve para os nossos briosos Soldados da Paz, que tão bem tem servido não só Valença e concelhos limítrofes, como também as populações da vizinha província espanhola da Galiza. Sem sombra de dúvida que poderemos denominar os nossos Bombeiros como Internacionais, e nesse sentido são já muitas as condecorações e honrarias concedidas pelas Autoridades Espanholas.